Rice to Richies - Visual Merchandising e Storytelling

Publicado em 03/06/2015 às 18h26

New York, EUA.

Ganhei um livro sobre Storytelling no ano passado e resolvi lê-lo apenas como curiosidade. Depois percebi que esse assunto começou a aparecer de várias formas: em entrevistas, em artigos, em outros livros, em apresentações de trabalhos, em propagandas, etc...parece que não vai parar mais...

Comecei a perceber que o storytelling também aparece no visual merchandising e o bom disso, é que aparece de uma maneira sempre muito divertida e criativa. Cada um apresenta de uma maneira, seja por meio de desenhos, por meio de fotos, por meio de palavras impressas ou escritas a mão. Não tem limite para a criatividade. Achava que o storytelling só aparecia nas vitrinas, mas o varejo está incorporando o storytelling dentro das lojas.

Em uma palestra que assisti na semana passada, um evento da The Cave com a Anima Trends, o palestrante da Looks Creative Studio falou sobre um grande exemplo de visual merchandising com storytelling e por isso resolvi aproveitar essa dica e comentar sobre a Rice to Riches. Essa empresa saiu na Seleção da Hypeness, como uma das 13 marcas que criaram ambientes fora do comum. 

Trata-se de uma loja que vende Arroz Doce! Eu que achei que esse tipo de doce agradasse somente os brasileiros, fiquei surpresa com o local. Me lembrou muito uma loja de Frozen Yogurt, pois o esquema de serviço é muito parecido...observem!

Rice to Richies - display Rice to Richies - display

 

Primeiro você escolhe o tamanho do seu pote. Cada pote recebe um nome – já começa o storytelling - que corresponde ao total de colheradas que os atendentes colocam para encher cada um. Tem o Solo (pra comer sozinho, o Epic (pra quem aguenta um pouco mais), o Sumo (sim, pra parecer lutador de Sumô) e o Moby (precisa de explicação?).

Rice to Richies - balcão 

Os sabores são as “bases”, que podem ser naturais ou com alguma outra mistura, como amêndoas, chocolate, etc. São várias opções!

 

Rice to Richies - sinalização Rice to Richies - geladeira

 

Você pode acrescentar os “Toppings”, são 16 variedades, ou somente completar com uma água. Aliás, a venda da água já é programada.

Após a escolha do seu doce, você pode escolher como comê-lo:

 

Rice to Richies - mesas Rice to Richies - mesas

 

Sentado (primeira foto), de pé sozinho, ou de pé em grupo (segunda foto).

Depois dessa narrativa de como funciona esse lugar, obervem então os detalhes de Visual Merchandising:

- O mobiliário é todo branco, neutro – mesas bancos, balcão.

- Sinalização colorida - paredes atrás das mesas com desenhos e imagens, placas com várias coisas escritas e sempre utilizando as cores marrom e laranja.

- Equipamentos e materiais de apoio são coloridos – potes coloridos e embalagens.

Rice to Richies

Rice to Richies Rice to Richies

 

O padrão da sinalização segue o padrão da logomarca – fundo oval e letras simples.

O ambiente tem iluminação direta e indireta, o que deixa mais aconchegante o ambiente, apesar de ser um lugar onde o fluxo de pessoas deve ser mais rápido, já que não possui muitos lugares para sentar.

Destaques: logomarca dentro da loja iluminada internamente e com vários dizeres sobre a loja em volta dela; sinalização no teto não explica sobre os produtos, mas sim sobre as sensações ao se comer o doce – o storytelling; acima dos copinhos onde estão canudos, as colheres e outros produtos, também tem informação bem humorada sobre o seu uso. A todo tempo eles tiram sarro desse momento, e até dizem “se não quiser engordar, vá para outro lugar!”.

Rice to Richies - balcao Rice to Richies - ambiente Rice to Richies - caixa

 

Toda a sinalização é tratada com muito bom humor. São piadinhas, histórias e “sacadas” escritas por todas as paredes. Nada é sério! Tudo é muito bem humorado!

Rice to Richies - fachada Rice to Richies - vitrina

 

O humor já começa na entrada com o vidro todo trabalhado com balões que contam sobre as sensações ao se comer o doce, ou sobre o benefício de comê-lo, ou até o porquê de comê-lo...muito diferente! Realmente, esse lugar passa a uma experiência pra se comer sem culpa, mas sim, se divertindo.

Quer saber mais? Acesse os links!

Enviar comentário

voltar para Bom Saber

fwB|fwB uppercase|uppercase fwB|b03 bsd||image-wrap|news login b01 uppercase bsd|uppercase b01 bsd fwB|uppercase b01 bsd|login news b01 uppercase bsd fwB|uppercase b01 bsd fwB|b01 uppercase bsd|content-inner||