sentidos

Loja de produtos naturais

Publicado por Cris Basso em 08/06/2015 às 15h39

VISUAL MERCHANDISING COM POUCO INVESTIMENTO

Essa loja não possui vitrinas externas (frontais), mas em compensação, toda loja é uma vitrina! 

Como se trata de uma loja de produtos naturais, e alguns são perecíveis, nem sempre vão ter os mesmos produtos quando você voltar na loja. Então, logo na entrada, em um ponto estratégico de “ilha”, os produtos que podem vencer rapidamente se encontram ali expostos.

O acabamento da loja é todo rústico. A decoração é bem simples, a começar pelos tecidos utilizados (observar toalha da ilha e da prateleira), cestas de vime e pelas próprias etiquetas de preço.

Na exposição abaixo os produtos foram agrupados conforme seu uso, conforme suas categorias, sem desconsiderar o agrupamento pelos tipos de embalagens.

Loja de Produtos Naturais

Já na próxima prateleira foi trabalha as composições de assimetria e de variedade. Isso porque alguns produtos marcam um eixo central e também pelas próprias embalagens os agrupamentos são formados, deixando o espaço com a sensação de organização, mesmo com essa grande quantidade de produtos.

Loja de Produtos Naturais

Uma alternativa que eu gosto muito é quando se aproveita os pilares. Dependendo da loja e do ramo de atividade, convém mais aproveitar os pilares para as exposições dos produtos do que disfarçá-los com espelhos ou com outro acabamento.

Além do aproveitamento do pilar, esse espaço também pode ser trabalhado como ponto estratégico, onde as trocas acontecem de maneira mais frequente.

Conseguem percebem o ritmo que é dado para a exposição aproveitando as embalagens?

Loja de Produtos Naturais

Cada mobiliário é de um padrão, com estilo diferentes e desenhos diferentes, mas segue o mesmo padrão de acabamento em madeira bem rústica. Alguns recebem até uma pintura, nada muito forte, talvez para não correr o risco de ficar monótono, ou tudo muito rígido.

Loja de Produtos Naturais

Nada mais original! Para informar de onde vem os produtos, há uma foto da família em sua propriedade. Vejam que os produtos em exposição não refletem o tipo de plantação que consta na foto, o que é bom, pois senão para cada produto a loja deveria utilizar a foto correspondente a plantação. Nesse caso a foto representa uma propriedade onde se planta de tudo, que a cada momento é exposto um pouco daquilo que é colhido nesse expositor abaixo.

Loja de Produtos Naturais

Próximo ao balcão do caixa estão expostos produtos que ainda podem ser comprados por “impulso” e também folhetos explicativos sobre os tipos de produtos, sobre os locais onde são produzidos e mesmo algumas dicas de receitas. Hummmm, que fome!

Loja de Produtos Naturais

Um ótimo exemplo de visual merchandising aplicado de forma eficiente e com baixo custo!

Que tal colocar esse conceitos em funcionamento em sua loja?

Categoria: baixo custo, loja, sentidos, varejo, visual de loja
Comentários (0) e Compartilhar

Se Cocina: visual merchandising no restaurante

Publicado por Cris Basso em 28/03/2014 às 19h51

Santiago, Chile

Quem disse que restaurante não consegue trabalhar com Visual Merchandising?

Basta usar a criatividade!

Se me perguntarem de onde saiu a ideia de trabalhar com o visual merchandising e com a decoração desse restaurante, localizado em Santiago (Chile), digo que surgiu das próprias receitas, mantimentos, equipamentos e alimentos que o Chef usa. Baseado então nesses critérios, o restaurante se apresenta de uma maneira lúdica, atraente e pra não dizer “apetitosa” para os seus clientes.

Tudo é apresentado e vejamos nas fotos:

  • os alimentos utilizados nas receitas ficam expostos na mesa para o uso do Chef. O cliente vê o que está sendo utilizado e pode chegar bem perto do fogão para observar a preparação.

cozinha aberta como parte do visual merchandising do restaurante

  • tudo o que será utilizado fica a mostra: panelas, talheres e ainda os equipamentos para o preparo.
  • deixar a mostra não significa deixar bagunçado. A bagunça que acontece é devido a preparação dos pratos, mas fora isso, percebam como tudo está organizado.

utensílios compõem o ambiente

  • cada mesa e cadeira segue um estilo, ora são cadeiras mais simples ou bancos, ora são cadeiras forradas, mas sofisticadas.
  • Cuidado! trabalhar com estilos diferentes de móveis pode resultar em um ambiente confuso, mas dependendo da maneira que são utilizados e se forem bem aplicados, a própria IDENTIDADE do estabelecimento pode ser criada.

criação de identidade com base na decoração

  • o Chef não se preocupa em expor as suas receitas na parede, será que existe então um segredinho que ele não está contando? Será que é por isso que temos que ficar atentos ao que ele faz?
  • mesmo que a cozinha seja um lugar de trabalho, aqui ela é uma vitrina!

cozinha como vitrina do restaurante

  • ao invés das paredes lisas, as receitas foram expostas e fazem parte de uma decoração que permite interação, pois todos acabam querendo ler tudo.

receitas expostas como parte do ambiente

Nesse lugar é possível ter contato com os 5 sentidos:

Visual – paredes com as receitas, equipamentos, mantimentos e alimentos;

Olfato – preparo feito na hora e ao lado do fogão (se quiser);

Sonoro – música ambiente e o som dos alimentos sendo preparados;

Tato – escolha dos vinhos diretamente na prateleira e também o manuseio do chef para a preparação dos pratos;

Paladar – esse não precisa explicar!

Categoria: restaurantes, sentidos
Comentários (0) e Compartilhar

fwB|fwB uppercase|uppercase fwB|b03 bsd||image-wrap|news login b01 uppercase bsd|uppercase b01 bsd fwB|uppercase b01 bsd|login news b01 uppercase bsd fwB|uppercase b01 bsd fwB|b01 uppercase bsd|content-inner||